Nesta semana, morreu o célebre roteirista francês, parceiro, entre outros, de Buñuel e Babenco. Suas lições: o exercício constante do “músculo da imaginação”, o roteiro como casulo do filme, os diálogos fluidos e sofisticados

 

Escrito por José Geraldo Couto

[Fonte: http://www.outraspalavras.net]