Para o autor de bestsellers, a experiência com a covid-19 levanta um alerta sobre o enfrentamento às mudanças climáticas

"Muitos líderes que se dizem nacionalistas, como o presidente americano, não o são", disse Yuval Harari (Foto: Leo Orestes)

Escrito por Daniela Frabasile

A pandemia de covid-19 revelou um grande sucesso da ciência no mundo. “A humanidade nunca foi tão capaz de lutar contra um vírus como hoje”, diz Yuval Noah Harari, professor de história israelense, autor de Sapiens: uma Breve História da Humanidade e Homo Deus. Em pandemias anteriores, como a peste negra, os cientistas não sabiam como parar a doença ou sequer o que a estava causando. Nem é preciso ir tão no passado. “Mesmo em 2018, com a H1N1, os cientistas não foram capazes de desenvolver vacinas tão rapidamente”, diz ele. “Em contraste, com a covid-19, demoramos apenas duas semanas para identificar o vírus corretamente, sequenciar seu código genético. Meses depois os cientistas descobriram como reduzir e parar a transmissão da doença. Um ano depois dos primeiros casos, já temos vacinas sendo produzidas em massa.”

Mas tal êxito da ciência não foi capaz de prevenir as milhares de mortes por covid-19 ao redor do mundo, o que nos revela um fracasso: o da política, diz Harari. “É trabalho dos políticos tomar as decisões com base no conhecimento científico. Tivemos alguns países que foram um sucesso, como a Nova Zelândia, mas outros foram fracassos, como Estados Unidos e Brasil”, afirma o pensador. “E nenhuma liderança global emergiu com o intuito de proteger a humanidade como um todo. Tínhamos o entendimento, tínhamos as ferramentas, mas não a sabedoria política”, lamenta. Harari participou no último 02/03 do evento online Expert ESG, promovido pela XP Inc. Segundo ele, foram poucas as tentativas de assegurar uma distribuição racional de equipamentos médicos e vacinas. “O que vimos foram países competindo entre si e muito nacionalismo”.

Para Harari, a falta de cooperação global prejudica a todos. Israelense, ele lembra que seu país é o mais avançado do mundo na vacinação contra a covid-19. “Mas enquanto a doença continuar a espalhar-se, nenhum país pode sentir-se seguro.” Isso porque enquanto houver a transmissão do Sars-CoV-2, há a chance de que uma mutação supere a vacina, o que causaria mais uma onda de transmissões em todo o globo. “Se você quer proteger seu próprio país, tem de proteger todos os países”.

Para Harari, reduzir a globalização não é uma solução para evitar novas pandemias no futuro. “Quanto mais conexões, maior a velocidade em que vírus e bactérias podem viajar ao redor do mundo e infectar mais pessoas, mas as pandemias não começaram no estado atual da globalização”, diz. “Tome a peste negra, por exemplo. Ela espalhou-se em uma época em que não havia aviões nem grandes cruzeiros, e mesmo assim matou um terço da população.”

O que se pode fazer, diz Harari, é ter uma globalização “melhor” do que a que temos hoje. “A globalização não é razão para pandemia, é potencialmente a real solução. A solução não é se isolar, mas cooperar com outras pessoas e compartilhar informações. Se a globalização é só sobre competição, pode piorar as coisas. A solução é ter uma globalização focada em cooperação.” Segundo ele, a única defesa contra pandemias é criar um sistema global de monitoramento e controle de patógenos, presente em todo o mundo, inclusive em pequenas vilas em países pobres. A Organização Mundial da Saúde (OMS), diz ele, precisa de mais dinheiro e mais poder político para ser efetiva.

Meio ambiente

A experiência com a covid-19 levanta um alerta sobre o enfrentamento às mudanças climáticas. “Se a humanidade não se pode unir frente a um inimigo óbvio, que é o vírus, como nos vamos unir em outras frentes, como as mudanças climáticas”, diz Harari. Pior: segundo ele, não há liderança global capaz de lidar com essa crise. “Nos últimos anos, os Estados Unidos deixaram o papel de líder global, ao mesmo tempo em que prejudicaram a ascensão de entidades multilaterais globais.”

O problema das mudanças climáticas e do colapso ecológico é muito mais complexo, diz ele, e requer ainda mais cooperação global. “Não estou muito otimista, mas o lado bom é que nada está determinado. Está em nossas mãos, e a pandemia pode servir de alerta: se um único vírus é capaz de mudar o mundo como mudou, imagine qual seria o efeito de um colapso ecológico.”

De acordo com Harari, a covid pode ensinar aos líderes políticos e às empresas que é do interesse de todos prevenir pandemias e as mudanças climáticas, evitando assim consequências que poderiam ser catastróficas. “É uma decisão política, uma questão de prioridade. Eu espero que tomemos melhores decisões no futuro.”

 

[Foto : Leo Orestes – fonte: http://www.epocanegocios.globo.com]